Tabaco prejudica desenvolvimento e sustentabilidade

O consumo de produtos de tabaco gera algum beneficio para seus usuários? Estaria a produção de tabaco alinhada com os princípios da economia sustentável, com a promoção da saúde e qualidade de vida do ser humano incluindo o homem do campo engajado nessa atividade? Perguntas como estas motivaram a Organização Mundial da Saúde a escolher o tema “Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento” com o objetivo de promover reflexões sobre a relação entre o tabagismo e desenvolvimento.

O custo do tabagismo assim como sua influência devastadora sobre a perda de produtividade no trabalho urbano e rural influencia negativamente os números da economia brasileira.

O Brasil tem prejuízo anual de R$ 56,9 bilhões com o tabagismo. Desse total, R$ 39,4 bilhões são gastos com despesas médicas e R$ 17,5 bilhões com custos indiretos ligados à perda de produtividade, causada por incapacitação de trabalhadores ou morte prematura.

A arrecadação de impostos com a venda de cigarros no país é de R$ 12,9 bilhões, o que gera saldo negativo de R$ 44 bilhões por ano.

Os números são robustos, e foram divulgados no estudo inédito “Carga de doença atribuível ao uso do tabaco no Brasil e potencial no impacto no aumento de preços por meio de impostos”, realizado com base em dados de 2015, e anunciados pelo Instituto Nacional do Câncer José de Alencar Gomes da Silva, e Secretaria-Executiva da Comissão Nacional para Implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, Conicq, em evento comemorativo do Dia Mundial sem Tabaco, no Rio de Janeiro.

“Isso descontrói o discurso frequentemente usado pela indústria tabagista, de que se trata de uma atividade socialmente responsável, que traz recursos para o país”, informa Tânia Cavalcante, secretária-executiva da Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (Conicq).

Cavalcante pontua que o Brasil é signatário da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco, iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) que determina a adoção de uma série de medidas intersetoriais para controlar o tabagismo. “Sendo assim, o país precisa ter uma política de desenvolvimento coerente com essa visão”, acredita.

Em caso de elevação de 50% no preço dos cigarros, a medida evitaria mais de 130 mil mortes, 500 mil infartos, 100 mil AVCs e quase 65 mil casos de câncer, além de ganhos econômicos de R$ 97,9 bilhões com o aumento da arrecadação tributária e a diminuição dos gastos com a saúde e da perda de produtividade.

Os números são devastadores, e superam aspectos defendidos pela economia do tabaco, seja do ponto de vista de geração de renda e exportações passando pela aceitação social e licitude da droga, ou até filosófica, a partir de uma suposta liberdade de escolha.

Fonte: Portal Inca (junho-17)

As informações contidas neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exame e/ou o tratamento médico. Em caso de dúvidas, fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Resp. Técnico - Dr. Fernando Zapparoli • CRM 108928 (SP) • 40021 (MG)

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

onde estamos

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

Avenida 25, 833 (Entre as Ruas 20 e 22)
Centro – Barretos | SP

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Rua Jaci, 3134 – Vila Redentora
São José do Rio Preto – SP

fale conosco

CONTATO

Para agendamento de consultas, dúvidas, ou sugestões, fale com a gente!

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Open chat