Órgão americano volta atrás em recomendação de rastreamento para o câncer de próstata

A U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF), órgão do governo americano sobre profilaxia em saúde, acaba de voltar atrás em sua recomendação sobre o rastreamento do câncer de próstata adotando indicação mais próxima às da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), American Urological Association (AUA) e American Cancer Society: a de que o médico deve informar ao paciente os prós e contras sobre o exame de PSA para que ele decida se quer ou não o fazer. A decisão foi publicada na última terça-feira, dia 11, no Journal of the American Medical Association.

Em 2012, a USPSTF publicou resolução não recomendando o rastreamento. As consequências dessa decisão começaram a aparecer em 2015, quando o estudo Genitourinary Cancers Symposium mostrou que houve um aumento de 3% ao ano no diagnóstico de tumores de risco intermediário e alto. Outro estudo também de 2015 mostrou a redução no número de diagnósticos de tumores agressivos.

“Todas as entidades que trabalham cotidianamente com o câncer de próstata recomendavam que a decisão da coleta do PSA deveria ser tomada após uma conversa com o médico explicando benefícios e malefícios do exame e também verificando os fatores de risco deste paciente. Temos que oferecer a ele a oportunidade de um diagnóstico precoce de um câncer que pode ser letal. A ida ao urologista é fundamental”, ressalta o diretor de Comunicação da Sociedade Brasileira de Urologia, Dr. Carlos Sacomani.

A nova recomendação da USPSTF diz: “A decisão sobre ser ou não submetido ao rastreamento do câncer de próstata deve ser individual. A USPSTF recomenda que os médicos informem homens entre 55 a 69 anos sobre os potenciais benefícios e danos de antígeno prostático específico (PSA) com base em rastreio para câncer de próstata”. (Leia em: https://screeningforprostatecancer.org/).

A mudança para classe C de recomendação ainda pode sofrer alterações, pois está aberta a comentários do público até 8 de maio. “Essa nova orientação reflete a opinião da USPTF sugerindo mudar de recomendação D (não fazer) para C (avaliar os prós e contras)”, acrescenta Dr. Sacomani.

A SBU reitera que homens a partir de 50 anos devem conversar com seus urologistas sobre os exames de detecção precoce do câncer de próstata e que homens com fatores de risco –câncer de próstata na família, negros e obesos – devem fazer essa consulta aos 45 anos.

As estimativas de novos casos de câncer de próstata para 2016/2017 é de 61.200 casos, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Para a Organização Mundial da Saúde, a estimativa de 2015 da doença no Brasil era de 79.922 casos. O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não melanoma).

Fonte: Portal da Urologia (Abril/17)

As informações contidas neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exame e/ou o tratamento médico. Em caso de dúvidas, fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Resp. Técnico - Dr. Fernando Zapparoli • CRM 108928 (SP) • 40021 (MG)

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

onde estamos

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

Avenida 25, 833 (Entre as Ruas 20 e 22)
Centro – Barretos | SP

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Rua Jaci, 3134 – Vila Redentora
São José do Rio Preto – SP

fale conosco

CONTATO

Para agendamento de consultas, dúvidas, ou sugestões, fale com a gente!

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Open chat