Cálculos na Bexiga

Qual é a incidência dos cálculos da bexiga urinária?

Os cálculos da bexiga constituem apenas aproximadamente 5% de todos os cálculos do trato urinário, mas são responsáveis por 8% das mortalidades relacionadas à urolitíase nos países desenvolvidos. A incidência é maior nos países em desenvolvimento.

A prevalência de cálculos na bexiga é mais alta no sexo masculino, com uma proporção masculina: feminina relatada entre 10: 1 e 4: 1.

A distribuição etária é bimodal: a incidência atinge um pico de três anos em crianças nos países em desenvolvimento e 60 anos na idade adulta.

Qual a causa dos cálculos da bexiga?

A etiologia das pedras na bexiga é tipicamente multifatorial. As pedras na bexiga podem ser classificadas como primárias, secundárias ou migratória.

Os cálculos primários ou endêmicos da bexiga ocorrem na ausência de outra patologia do trato urinário, geralmente observada em crianças em áreas com pouca hidratação, diarréia recorrente e dieta deficiente em proteína animal.

Os cálculos secundários da bexiga ocorrem na presença de outras anormalidades do trato urinário, que incluem: obstrução da saída da bexiga, disfunção neurogênica da bexiga, bacteriúria crônica, corpos estranhos (incluindo cateteres), divertículos da bexiga e aumento da bexiga ou desvio urinário. Em adultos, a retenção crônica urinária é o principal fator de formação de cálculos da bexiga e representa de 45 a 79% do total.

Os cálculos migratórios da bexiga são aqueles que passaram do trato urinário superior onde se formaram e podem servir como ponto de partida para o crescimento dos cálculos da bexiga; pacientes com cálculos vesicais são mais propensos a ter uma história de cálculos do trato superior e fatores de risco para sua formação.

Uma grande variedade de anormalidades urinárias metabólicas pode predispor a cálculos em qualquer lugar do trato urinário. Há uma escassez de estudos sobre anormalidades metabólicas específicas que predispõem a cálculos na bexiga.

As pedras na bexiga se formarão em 3 a 4,7% dos homens submetidos à cirurgia para obstrução prostática benigna da próstata, 15 a 36% dos pacientes com lesão medular e 2,2% dos pacientes com cateteres de longo prazo.

As anormalidades metabólicas que predispõem os pacientes a formar cálculos secundários da bexiga são pouco conhecidas. A análise de cálculos de 86 homens com dificuldade para esvaziar a urina demonstrou que 42% tinham cálculos à base de cálcio (oxalato, fosfato), 33% tinham fosfato de magnésio e amônio, 10% tinham cálculos mistos

A base metabólica exata para cálculos primários da bexiga é pouco conhecida e provavelmente multifatorial. O baixo volume de urina (baixa hidratação) é a anormalidade mais consistentemente demonstrável.

Apresentação clínica dos cálculos na bexiga

Os sintomas mais comumente associados às pedras na bexiga são o aumento da frequência urinária, hematúria (que é tipicamente terminal) e disúria ou dor suprapúbica. Movimento súbito e exercícios podem agravar esses sintomas.

A atividade excessiva do detrusor é encontrada em mais de dois terços dos pacientes adultos do sexo masculino com cálculos vesicais e é significativamente mais comum em pacientes com cálculos maiores (> 4 cm). No entanto, infecções recorrentes do trato urinário (ITU) podem ser o único sintoma.

Nas crianças, os sintomas também podem incluir tração do pênis, dificuldades na micção, retenção urinária, enurese e prolapso retal (resultantes de esforço devido a espasmos da bexiga). Pedras pequenas na bexiga também podem ser assintomáticas e serem achados incidentais de exames de imagem em 10% dos casos.

Diagnóstico dos cálculos na bexiga

A radiografia simples da bexiga do ureter renal (KUB) tem uma sensibilidade relatada de 21% a 78% para cálculos da bexiga. Pedras maiores (> 2,0 cm) têm maior probabilidade de serem radiopacas. No entanto, o raio X simples fornece informações sobre a radio-opacidade que podem orientar o tratamento e o acompanhamento.

O ultrassom (US) tem uma sensibilidade e especificidade relatadas de 20 a 83% e 98 a 100%, respectivamente, para a detecção de cálculos na bexiga em adultos.

A tomografia computadorizada (TC) e a cistoscopia têm uma sensibilidade mais alta na detecção de cálculos na bexiga.

Nenhum estudo compara cistoscopia e tomografia computadorizada para o diagnóstico de cálculos na bexiga. A cistoscopia tem a vantagem de detectar outras causas potenciais para os sintomas de um paciente (por exemplo, câncer de bexiga), enquanto a TC também pode avaliar a urolitíase do trato superior.

Grande cálculo vesical em RX simples de abdome

Estudando a causa do cálculo da bexiga para evitar recorrência

A causa da pedra na bexiga deve ser considerada antes do tratamento da pedra na bexiga, pois a eliminação da causa subjacente reduzirá as taxas de recorrência. Devemos investigar sempre uma possível causa:

• Exame físico de órgãos genitais externos, sistema nervoso periférico (incluindo exame retal digital, tônus e sensibilidade peri-anal nos homens.
• Avaliação de urofluxometria e urina residual pós-vazio;
• Urina i e urocultura
• Avaliação metabólica: creatinina, cálcio (ionizado), ácido úrico, sódio, potássio
• pH da urina;
• Análise dos cálculos (composição)
• Ultrassonografia urinária
• Tomografia de abdome total em casos selecionados

Tratamento dos cálculos na bexiga

Sempre que possível e disponível devemos utilizar cistolitotripsia transuretroscópica a laser. Com menores taxas de complicações pós operatórias.

Cálculos associados com grandes próstatas obstrutivas ou grandes divertículos devem ser avaliados quanto a possibilidade de cirurgia convencional onde possa ser corrigido o fator de predisposição.

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
https://uroweb.org/guideline/bladder-stones/#3

As informações contidas neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exame e/ou o tratamento médico. Em caso de dúvidas, fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Resp. Técnico - Dr. Fernando Zapparoli • CRM 108928 (SP) • 40021 (MG)

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

onde estamos

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

Avenida 25, 833 (Entre as Ruas 20 e 22)
Centro – Barretos | SP

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Rua Jaci, 3134 – Vila Redentora
São José do Rio Preto – SP

fale conosco

CONTATO

Para agendamento de consultas, dúvidas, ou sugestões, fale com a gente!

BARRETOS

Instituto de Medicina Avançada (IMA)

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

INCA | Instituto do Câncer - Rio Preto

Open chat