No Reino Unido, nova pesquisa estuda tratamento para o câncer de próstata

Exame de saliva para detectar risco de câncer de próstata entra em fase de teste
10 de julho de 2018
Gestação com dieta pobre em proteínas aumenta risco de câncer de próstata
24 de agosto de 2018
Exibir Tudo

No Reino Unido, nova pesquisa estuda tratamento para o câncer de próstata

Um novo estudo, realizado em seis hospitais do Reino Unido, monitorou 625 homens com câncer de próstata. Esses pacientes receberam o tratamento chamado de ultrassom focalizado de alta intensidade (HIFU, sigla em inglês), um processo similar a “tumorectomia”, usada para tratar outros tipos de câncer, onde é feita a remoção apenas das células cancerígenas, deixando o maior número de células saudáveis possíveis.

A conclusão do estudo, o maior já realizado sobre o tratamento HIFU focal para tumores prostáticos, indicou que depois de 5 anos a taxa de sobrevivência dos pacientes tratados com o HIFU é de 100%. Aproximadamente, 1 em 10 homens precisou de algum tratamento posterior.

O último teste realizado com esse tratamento sugeriu que a técnica pode ser capaz de combater o câncer com ainda menos efeitos colaterais. A pesquisa também mostrou que o risco de efeitos indesejados em sua utilização, como incontinência urinária e disfunção erétil, foram menores que os apresentados por outros tratamentos, de 2% e 15% respectivamente.

A taxa de sobrevivência dos tratamentos tradicionais, como a radioterapia e cirurgia, também é de 100% após 5 anos, mas é preciso levar em conta a qualidade de vida desses pacientes. A cirurgia convencional e a radioterapia são tratamentos eficientes para tratar toda a próstata, mas podem levar ao desenvolvimento de problemas urinários em 5 a 30% dos casos. Além do risco de ocasionar disfunção erétil de 30 a 60%. A radioterapia também pode causar desordens retais com diarreias frequentes e desconforto em 5% dos pacientes.

No novo estudo sobre o HIFU, conduzido em homens com média de idade de 65 anos, em que o câncer não se espalhou para outros órgãos, o risco de incontinência urinária passados cinco anos da realização do tratamento foi de apenas 2%, e o risco de disfunção erétil foi de 15%, em casos de câncer de médio e alto risco.

Fonte: Diário do Estado